sexta-feira, 12 de setembro de 2014

#Dicadefilme - Não Aceitamos Devoluções

Nessa semana assisti um filme, mas não qualquer filme, me surpreendi. Achei que era mais um filmezinho de comédia, super clichê, aquele que nem vontade de rir não dá. Mas, fiquei curiosa depois que vi os comentários dele no filmow, então resolvi assistir, e valeu muito a pena.


Não aceitamos devoluções (No se aceptan devoluciones) é um filme mexicano protagonizado por Eugenio Derbez (Valentin), um cara que sempre levou uma vida despreocupada em Acapulco, saía com várias mulheres, fingia que as amava, e depois de um tempo, sequer lembrava que existiam.

Um dia, sua vida mudou completamente, uma de suas antigas “namoradas” bate em sua porta, com um bebê, alegando ser seu filho. Ela finge que vai pagar o táxi e deixa a criança com Valentin, desesperado, ele vai em busca da mãe até os EUA, chegando lá, percebe o quanto ama a criança e começa a cria-la.
Seis anos depois, Valentin está trabalhando como dublê em vários filmes, enquanto Maggie já está na escola. Sua vida estava perfeita até então, porém, logo a mãe da menina volta tentando fazer parte de sua vida. Ela se apaixonou tanto pela menina, que tenta leva-la embora, vai à justiça, porém perde para o pai.
Com ações desesperadas para criar a menina, ela exige um exame de DNA, o mesmo mostra que Valentin não é o pai, então ela consegue tirá-la de sua criação. Em seu último dia com Maggie, sua mãe e alguns policiais estão a espera para leva-la embora, porém, o pai foge, levando-a de volta ao México.

Lendo a sinopse, realmente parece um filme sem graça, e até é um pouco clichê, mas é uma verdadeira lição de vida. Em muitas cenas fiquei com muita raiva da mãe. Não faz sentido a mãe larga-la e depois simplesmente querer tirar do cara “irresponsável” que criou, cuidou e alimentou. Como pode uma pessoa se achar no direito de falar alguma coisa, ela constrói a sua vida, vira uma advogada, arruma um apartamento em Nova York, e depois simplesmente quer voltar, isso me causa revolta, mais revolta ainda, porque sabemos que isso acontece na vida real, algumas abandonam e não voltam, agora outras voltam e se acham no direito de participar da vida da criança.

Pra quem não assistiu ainda esse filme, eu recomendo, é uma lição de vida, muito emocionante, e nos faz refletir em vários pontos. 




4 comentários:

  1. Sei lá achei bem clichê porque já vi vários filmes nesse estilo, mas quem sabe assistindo não mudo de opinião.
    Beijoos!

    http://www.pamlepletier.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele realmente é bem clichê, mas é muito bom.

      Beijos

      Excluir
  2. Não conhecia esse filme
    Mas parece ser bem interessante para passar o tempo

    Beijos
    http://pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É ótimo pra passar o tempo, muito mesmo

      Beijo

      Excluir